segunda-feira, 30 de novembro de 2015

                                        

PROJETO PARA CRIAÇÃO DO  PARQUE ECOLÓGICO DE TUCUMÃ.
DESCRIÇÃO DA ÁREA PRETENDIDA.
A área em questão  é especial, estando localizada inteiramente na zona urbana de com cerca de 10 alqueires, usada como campo experimental para a produção de mudas de Cacau e outras culturas comoseringueiras, madeiras nobres e árvores frutíferas.  Também Já foi inúmeras vezes invadida por movimentos sociais que foram retirados por ordem judicial e recentemente um lixão a céu aberto fazia parque da paisagem do parque.
Esta área é também  habitat natural para diversas espécies de  pássaros, répteis, pequenos mamíferos e insetos, além de proteger muitas outras espécies endêmicas de fauna e flora.
Do ponto de vista socioeconômico, é o único recurso natural de nossa comunidade, na zona urbana, que poderia ser potencialmente utilizado para as atividades doecoturismo e pesquisas de meio ambiente.
POR QUE CRIAR UM PARQUE ECOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE TUCUMÃ.
* Para evitar a privatização, a invasão ou a favelização do local, criando uma atração turística permanente para o Município.
* Para garantir a preservação do meio ambiente de uma forma permanente com fiscalização constante.
* Para fazer valer as leis federais, estaduais e municipais de preservação ambiental e controlar os empreendimentos turísticos que devastam as áreas naturais em nome de lucros privados.
* Para criar uma infraestrutura adequada para receber o turismo nacional e internacional e ao mesmo tempo preservar o meio ambiente, tudo numa forma bem organizada, de alta qualidade, assim criando um exemplo de auto sustentabilidade para outras regiões do Brasil.
* Para criar recursos legais que possam controlar a visitação no parque em forma sustentável.
DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO PARQUE:
Este projeto é de caráter urgente a fim de prevenir a descaracterização, degradação e privatização desta importante área que consideramos um Patrimônio Natural de Tucumã.
Este projeto visa proteger permanentemente uma área que é mosaico de ecossistemas frágeis através da recuperação e reabilitação de áreas degradadas e descaracterizadas.
Esse projeto é de baixo custo inicial e de um retorno alto e permanente por muitos anos vindouros.
Com vários ecossistemas formando marco verde em volta do Município de Tucumã  confere beleza singular e natural, muita exótica,  por essa razão esta região é recurso natural de nossa comunidade.
Por isso consideramos que proteger essa área permanentemente é positivo para a comunidade, para o município, para o estado do Pará, e para o Brasil como um todo, mas sobre tudo para o meio ambiente.
O Projeto Criando o Parque Ecológico de Tucumã,  é um projeto ecológico autossustentável e comunitário,  com a finalidade  de contribuir para elevar a qualidade de vida da população local e ao mesmo tempo protegendo um patrimônio natural, histórico, étnico e cultural.
O Projeto com Gestão da BIONG,  criará uma administração real e transparente com contabilidade diária on-line via internet, visualizada e controlada diretamente pela comunidade e por diferentes órgãos municipais, estaduais e federais. Também visa gerar empregos permanentes, como os funcionários do Parque, e outros indiretamente, como através de cooperativas.
O excedente das arrecadações do Parque será voltado a projetos comunitários (pois nossa comunidade se encontra cheia de necessidades) tais como educação, saúde, meio ambiente, cultura entre outros.
MISSÃO DO PARQUE:
* É um projeto ecológico, social e econômico para preservar o antigo Parque Experimental e transforma-lo no Parque Ecológico de Tucumã.
* Arrecadação de taxas dos usuários do parque com a finalidade de administrar um parque auto-suficiente, criar trabalhos, e investir o excedente em projetos ambientais, sociais, culturais, educacionais e comunitários.
* Preservar uma parte da história do Município de Tucumã,  para o futuro, para todos os Brasileiros usufruir.
* Melhorar a qualidade de vida da comunidade de Tucumã e outras comunidades na Região da Rodovia  PA 279 e região do Xingu.
INFRA-ESTRUTURA DO PARQUE:
* Complexo administrativo construído ecologicamente correto e de bom gosto.
* Centro cultural e elucidativo (maloca indígena, exótica, tipicamente brasileira).
* Placas educacionais, ambientais e informativas.
* Quiosques de atendimento aos visitantes do parque, especificamente nas entradas, sendo pontos de vendas dos botões de entrada e distribuição de informações.
* Banheiros públicos de alta qualidade.
* Reflorestamento de áreas degradadas e recuperação de  lugares de aterros.
* Estacionamento e estradas arborizados.
* Instalação de lixeiras para implantar sistema de coleta de lixo permanente, junto ao ensino ambiental aos visitantes e residentes, com projeto de reciclagem do lixo.
* Saneamento básico para as barracas e os banheiros públicos.

ADMINISTRAÇÃO DO PARQUE:
* Administração e Fiscalização.
* Segurança 24 horas.
* Equipe de Socorristas (treinados em primeiro socorro).
* Limpeza e manutenção.
* Coleta de lixo permanente.
* Contabilidade diária e on-line.
OUTROS PROJETOS DO PARQUE:
* Criação e administração de um website do parque, destacando educação ambiental e difusão do parque.
* Instalação de web câmaras para visualização ao vivo a ser exibido no website.
* Cooperativa de pintura e venda de camisetas, bonés, bolsas e outras confecções que promovam educação ambiental.

ORGANIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO.
ADAMOR CARMIN JUNIOR.

Diretor regional da BIONGXINGU.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

VÍDEO SOBRE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA AMAZÔNIA.


video

Este vídeo foi produzido pelo Educador Adamor Carmin,  para ilustrar a matéria de Educação Patrimonial no Programa Cultural de Tucumã e Parauapebas, realizados pela Fundação Vale, com foco na Amazônia, utilizamos uma musica do cantor e compositor Nilson Chaves que sempre declamou o seu amor pela floresta e pelo Estado do Pará.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

A RÃ DA FLECHA VENENOSA

Esse nome engloba rãs da família Dendrobatidae, cujos membros têm a particularidade de produzirem toxinas potentes na pele. Você pode achar as rãs coloridas “fofas”, mas essas cores fortes servem para avisar seus predadores de que elas estão entre as criaturas mais tóxicas da Terra. Algumas são tão potentes que meramente tocar o animal pode gerar uma dose letal.

O nome desse grupo vem do fato de que os índios costumam usar essas rãs para fazer flechas, ou dardos venenosos.


SEJA UM PARCEIRO DA BIONG DIRETORIA REGIONAL XINGU.

O SAPO DE VIDRO DA AMAZONIA

Esse é o apelido dos sapos da família Centrolenidae, que são translúcidos. Ou seja, seu corpo é totalmente transparente, permitindo-nos ver até seus órgãos internos, incluindo o bombeamento de seu coração. A vantagem do corpo transparente é que ele assume a tonalidade da vegetação circundante, tornando difícil de ver o sapo (evitando assim predadores).

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014


CONHEÇA A BIONG REGIONAL XINGU

BIONG XINGU
ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL DA BIODIVERSIDADE AMBIENTAL

Diretoria Regional do Xingu.
Sede: Rua do Canavial, 887  Centro Tucumã – Pará.
CEP: 68385 000.


Adamor Carmin.
Diretor regional Xingu
Estado do Pará - Brasil.

ANIMAIS CURIOSOS DA FAUNA AMAZONICA

JEQUITIRANABOIA
Esse inseto, conhecido em inglês como “inseto cabeça de amendoim”, é um bicho muito esquisito, completamente indefeso, mas que parece ter alguns mecanismos de “camuflagem” em seu corpo, como a protuberância bulbosa de sua cabeça, que se parece muito com amendoim sem casca, e que os cientistas acreditam que imita a cabeça de um lagarto, a fim de deter predadores curiosos. Ele também tem asas com manchas que se parecem com os olhos de uma coruja.







JUPARÁ

Jupará é um mamífero arborícola noturno da mesma família dos quatis e guaxinins. Tem a pele dourada e uma cauda que pode agarrar galhos. Come principalmente frutas e insetos, usando sua língua de 12 centímetros de comprimento para agarrá-los, e também para lamber o néctar das flores. Possui cerca de 60 cm de comprimento, e chega a pesar 3 kg. Também é conhecido como quincaju  ou urso de mel.